segunda-feira, 20 de maio de 2013

Gavetas exigentes

Escrevia para a gaveta — isto é, para uma das várias lá de casa. Porém, aquela atitude acabaria por atear nas restantes o ciúme típico dos compartimentos fechados. Apercebendo-se do mal-estar geral, optou por escrever para todas as gavetas. Nem assim contentou a maior parte, ressentida com a mediocridade dos textos. Decidiu então deixar de escrever para as gavetas. Ainda pensou fazê-lo para baús, frigoríficos, fornos e tulhas. Mas nada disso valia a pena. Já chegava de aborrecimentos.

2 comentários:

  1. Olá José!

    Como saber o que vale, sem deixar que vá a qualquer sítio

    Sorriso

    ResponderEliminar